7 Comentários


    1. Nós que agradecemos Anderson. Toda semana temos material novo para vocês. Se inscreve no topo da página para receber notificação dos novos textos e para receber materiais exclusivos aos membros VIP do Financial Academy. Te esperamos lá. Abraço

      Responder
  1. João Paulo

    Muito fácil falar, você não tem a vida que eu tenho, não passou pelas dificuldades que passei!

    Responder
    1. Thereza Pinho

      Mas você há de convir que se está onde está hoje, foi por conta de suas escolhas e suas atitudes. Vários são os que lutam e conseguem, saindo da zona de conforto, algo melhor na vida!

      Responder

    2. Não João Paulo, não tenho. Primeiramente obrigado pelo seu comentário. Ele nos permite abranger mais ainda o que quisemos passar no texto. Não sei pelo que você passou nem sei das dificuldades. Imagino que, para que você tenha se sentido ofendido de alguma forma, você deve ter passado por momentos bem difíceis. Sabe a única coisa que posso dizer sobre você? Que você é maior do que elas. Se está aqui falando dos problemas no passado, é por que é ao passado que elas pertencem. Como falamos já em alguns textos, somos fruto de nossas experiências. Como diz aquele ditado “São as piores tempestades que forjam os melhores navegadores”. O que digo é que você não deixe esses contratempos, sejam eles do tamanho que for, tomarem conta da sua vida. Pelas suas palavras percebo que és um navegador de grandes tempestades e que não vai ser qualquer marola, ou qualquer tempestade que seja, a lhe parar. Este é o verdadeiro sentido do que queríamos passar para você, e nunca, em momento algum, pretendíamos subestima-lo. Peço então que você não se subestime, que tenha o controle, as rédeas de sua vida e que todos os problemas futuros sejam superados. Um grande abraço e uma boa sorte nos investimentos.

      Responder
  2. Thereza Pinho

    Gratidão pela mensagem passada! Concordo que somos nós quem devemos guiar nossa vida.

    Responder

    1. Nós que agradecemos pelas palavras Thereza. Somos sim, e, embora existam “n” fatores externos que teimam em se “intrometer” como crise econômica, um carro que quebrou, uma dívida que precisou ser feita, cabe a nós colocá-los em seus lugares, superá-los, contorná-los ou qualquer medida que seja necessária para que tomemos o controle de volta. Um excelente dia para você e boa sorte nos investimentos.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *