Por que a Poupança não vai lhe deixar Rico?

Tempo de leitura: 7 minutos


Devido à mídia agressiva dos grandes Bancos, principalmente os públicos, é natural que o real significado Poupança seja distorcido. Propagandas como “faça poupança no banco X“, Y ou Z é mais que difundida e isso impregna em nossa mente de tal forma que uma simples pergunta “Você poupa?”, pode ser respondida (de maneira errada no sentido literal da frase) “sim eu tenho uma poupança no banco X”.

Poupança, em Economia, é a parcela da renda de uma pessoa, empresa ou instituições superavitárias (que tem saldo positivo no fim do mês), ou seja, o famoso “sobrou dinheiro” no final do mês. Essa parcela de renda não foi gasta no exercício (mês) em que foi recebida e pode, desta forma, ser guardada e futuramente gasta, ou investida.

Acontece que muita gente confunde, Caderneta de Poupança com Poupança (o até de poupar, explicitado acima). A Caderneta de Poupança é tida, a rigor, como uma forma de investimento, mesmo que para mim não deveria ser entendida assim por você, investidor inteligente. Afinal, investimento é aquele que nos proporciona rendimentos reais, não só nominais (entenda a diferença aqui).

2016: Fechamos o ano com a inflação abaixo dos 7% graças a uma série de fatores, dentre eles a política econômica adotada por Henrique Meirelles e equipe, também por Ilan Goldfajn, presidente do Banco Central. Outro fator para conter a inflação, que pode até parecer contra intuitivo, foi a massa desempregada. Uma vez que há falta de trabalho, a renda da população diminui, que consequentemente também diminui a procura por produtos (oferta) e por consequência caem os preços, certo? O famoso resfriamento do mercado.

O dinheiro posto na Caderneta de Poupança sofre baixa rentabilidade nominal* (média de ~6,5%), por muitos anos rentabilidade real* negativa (ocorre quando a inflação acima dos rendimentos oferecidos pela poupança), e, consequentemente, tem um risco bastante reduzido. É garantido pelo governo até um determinado valor, independente de qual casa bancária é a sua depositária.

Seus recursos geralmente tem destinação para investimentos em infraestrutura habitacional, por isso os bancos públicos “brigam tanto” por elas.

Por outro lado, se temos uma tendência de baixa na Taxa Selic (à níveis de 7%, ou 8%), a caderneta de poupança pode passar a ser um investimento atraente, uma vez que não há incidência de imposto de renda. Mesmo para períodos mais longos (acima 720 dias – 2 anos), apenas com a Selic muito baixa, realmente a poupança pode vir a ser algo melhor, por conta do imposto regressivo utilizado na renda fixa dos títulos públicos.

Vamos pensar juntos: se você tem R$1.000,00 e põe no Tesouro Direto SELIC, digamos que, num período de 2 anos, a Selic tenha ficado intacta em 7% (hipoteticamente, para fins de compreensão da situação). Ao final de 720 dias você teria R$ 1.144,90 e, se precisar retirar o dinheiro nessa época, incidirá sobre o lucro (retido na fonte) 15% de imposto de renda.

Virá à sua conta então, R$ 1.123,16. Agora, imagine que no mesmo espaço de tempo, você deixou esse dinheiro na poupança, ao final de 2 anos, seriam R$ 1.134,50. Vemos que nesse caso, devido ao imposto de renda, o Tesouro Direto perderia para inflação, mesmo com o mínimo imposto cobrado (depois de 720 dias).

O problema é que uma SELIC nesses níveis é algo raro na nossa história e, sim, já tivemos uma Selic a 7,25%. Isso nos rendeu um problemão! Nessa época o Governo vigente (Dilma em 2013), abandonou o Tripé Econômico mantido pela equipe econômica do Governo Lula, e que foi adotado inicialmente pela equipe econômica do Governo FHC (foi dito inclusive que seria mantido, em carta aberta de Lula em 2002) e adotou a Nova Matriz Econômica.

O problemão em questão foi que, com a nova política econômica, entramos em um espiral inflacionário (afinal houve um afrouxamento na busca pela meta da inflação) o que nos rendeu, dentre muitos outros problemas, uma inflação na casa de 2 dígitos em 2015. O assunto sobre as políticas econômicas adotadas pelo nosso país vou deixar para uma outra conversa, vamos focar no assunto de hoje.

Onde quero chegar com toda essa confusão? Que para a Caderneta de Poupança chegar a níveis melhores que o tesouro direto. vai demorar, e se chegar um dia, teremos que ter uma política econômica com uma base muito forte para que tal fato aconteça.

Observe que comparei apenas a caderneta de poupança com UMA DAS TRÊS modalidades de investimento do tesouro direto. Existe ainda, por exemplo, o Tesouro IPCA+ que faz com que você automaticamente ganhe uma rentabilidade real, já que ele lhe oferece a variação da inflação como parte do rendimento. Sem contar nas outras formas de renda fixa que existem como CDB (sugiro bancos médios, investindo até 250 mil – garantia do FGC), LCI, LCA (ambas com isenção de imposto de renda), dentre outras.

A lógica da questão é: se você insistir em deixar seu dinheiro na poupança e 70% das vezes que isso acontece é por comodismo (os outros 30% é por falta de informação e não é seu caso, pelo menos não mais), você irá Perder de ter uma rentabilidade no mínimo aceitável!

À esta perda de possível rentabilidade, chamamos de Custo de Oportunidade. Ele é caracterizado por quanto você perde ou ganha, quando realiza uma escolha de investimentos. Falamos um pouco sobre esse tema neste e neste texto, falando sobre outros assuntos.

Vamos agora para o mundo mais real. Segundo o Relatório Focus que saiu na última segunda feira do ano de 2016, era prevista uma taxa SELIC para o fim de 2017 (caso tudo se mantenha como está no Brasil, pouco provável com as delações que ainda virão) de 10,5%, inflação de 4,85% (próximo ao centro da meta) o que confere uma rentabilidade real de mais de 5,5%.

Mesmo assim, isto confere a maior rentabilidade real do Mundo! Afinal, baixou-se o juro soberano (SELIC) de maneira compensatória à queda da inflação (política econômica adotada pela equipe econômica do Governo Temer tem uma postura parecida com a Política do primeiro Mandato de Lula). Por outro lado, se a poupança ficar alinhada com a média histórica (6,5%), lhe conferiria uma rentabilidade de rela de 1,65%. Bem menor, não é mesmo?

Você não precisa ser um investidor sofisticado para entender tudo o que foi dito acima, para falar a verdade, pessoas com um intelecto normal (como eu e você) conseguem compreender que a poupança não vai levar ninguém a lugar nenhum.

É uma questão de escolha, almejar algo a mais na vida, buscando o conhecimento necessário (por mais básico que seja), ou manter-se na mediocridade (no sentido restrito da palavra, ser médio). E se você está aqui comigo, lendo até o final, com certeza não quer se manter medíocre, pelo contrário, busca o que é de melhor na vida!

Você ainda pretende deixar seu dinheiro na poupança? Qual sua opinião sobre o assunto. Deixe um comentário abaixo com suas impressões e sugestões para outros temas. Desta forma serei capaz de produzir artigos alinhados com o que você espera, além de me deixar muito agradecido por sua participação.


Para nos acompanhar melhor, se inscreva no topo de nossa página principal ou por aqui.

Nos siga também no

Facebook
Twitter,
Instagram e
YouTube

Uma ótima semana para todos e até a próxima !!


4 Comentários

  1. Augusto César

    Tenho que criar coragem para tirar meu dinheiro da poupança… 🙁

    Responder

    1. Coragem Augusto, Coragem! Você será o maior beneficiado disto. Ficaremos felicíssimos em conseguir acender esta decisão em você. Se tiver qualquer dúvida em como fazer, pode entrar em contato conosco. Grande Abraço.

      Responder
  2. Jean

    ok, entendi, mas como faço para começar a investir sem ser pelo banco?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *